sexta-feira, 13 de dezembro de 2019

ESTA VIDA QUE NOS MATA

Falta-me o tempo e o alento, para as coisas que gosto, falta a disposição. Falta-me o sabor, o cheiro, o gosto que tinha a vida outrora e onde agora sobra um enorme vazio cheio de nada. Mas não será o tempo uma desculpa para a falta de talento? Já não sinto as palavras brincarem como antes, não as oiço, deixaram de correr enleantes por entre as veias. Os cavalos selvagens deixaram de correr livremente pela pradaria, domados que estão. Não é a mesma coisa viver com um cabresto. A inspiração é uma quimera e à mera hesitação a dúvida como uma erva daninha cresce vorazmente, mina-nos por dentro, seca o que dantes se confundia com talento. Porque lá fora a vida não espera e o que era importante ontem deixou de o ser. Para quê correr então se a onda nos leva rumo ao marasmo fácil e cómodo feito de sentidos únicos e de falta de identidade. Hoje é tudo rápido, a notícia, os sentimentos e as relações, a paciência cada vez mais curta que se esgota num ápice, a pressa de vencer sem olhar a quem. Sem perdão para quem fica à espera, para quem se deixa ficar pelo caminho, quedo-me soturno e triste, à deriva, irritável e injusto para quem não desistiu de mim, que teima em procurar num invólucro vazio a alma que um dia o habitou. Não me reconheço nos rostos e palavras diárias e vulgares, numa guerra fria de silêncios tão ensurdecedores, no radicalismo de quem corta pela raíz ao primeiro desaire, nos dias que agora restam compridos e inócuos de sentido. Porém, agarro-me à vida por um fio, como a uma garrafa de oxigénio, na sede que sinto de remar contra a maré, à fé dos pequeninos detalhes que aos outros carecem de valor, a olhares que contam histórias, ao sorriso que não se apaga de quem pouco ou nada tem, despidos de fortuna, vestidos de esperança, à simplicidade das poucas coisas que gosto, um sentido, a busca insaciável pelo prazer, esta fome que não sossega de viver.

2 comentários:

  1. Um texto muito melancólico, onde o coração parece estar "sangrando"!
    -
    --> Não desapareces do meu sentimento
    .
    --> Invenções
    Linke do blogue dos netos. https://imagensquedispensampalavras.blogspot.com/
    Beijo, e um excelente fim de semana!

    ResponderEliminar
  2. Parece-me que o talento e a inspiração estão intactos… este texto, apesar do copo meio vazio, é bem prova disto.

    Deixo-te o desafio de pensares e escreveres sobre o que te fez aparecer neste nosso universo de blogues, o sentir das primeiras palavras, o sentir posterior da evolução, a brincar, o dançar com as palavras... quem sabe tudo o resto começa a brotar… a escrita é como um músculo… pouco mais do que isso.

    Grande abraço, amigo.

    ResponderEliminar